20/12/2022

Tô fechado pra balanço, meu saldo deve ser bom


 Eu nem sabia que tinha uma música cantada pela Elis Regina com esse nome, feliz de descobrir e de casar bem com o tema do post haha.

Bem, fim de ano chegou, minhas férias começaram hoje e, desde que terminei o tcc, sinto que algumas coisas foram aparecendo e ficando na minha cabeça.
Em setembro de 2018 voltei do Canadá. Fiquei de molho até fevereiro de 2019, quando comecei faculdade e meu primeiro (e único) estágio, depois tivemos 2 anos sequestrados pela covid e agora, em 2022, ainda que sem fim de pandemia, as coisas aos poucos vão tomando novas cores.
Tive um emprego, mudei desse emprego, conheci gente nova, aprendi muito, me engajei (ainda que por hora apenas conceitualmente) politicamente, revi gente querida, fiz minha cirurgia... Foi tanta coisa e sinto que não mudei, só me tornei muito mais eu do que eu sabia ser. 
Por isso, nesse finzinho de dezembro, que anuncia o meio-fim dos meus vinte e quatro anos, parece que tem uma luz piscando aqui dentro me avisando que é uma boa hora pra parar e olhar pra tudo com atenção e cuidado.

Cuidado e conforto foram palavras que descobri nortearem grande parte das minhas necessidades pra viver. Falei tantas vezes essas duas ao longo desse ano que não tenho nem como contar e isso é um ótimo sinal de como estou consciente da importância delas. 
Para além das duas, também percebi qual era a última da tríade que faltava. Na verdade, não sei bem se cabe numa palavra, mas pode ser descrito com algumas expressões: "encher o peito de algodão" "respirar e sentir vida entrando" "ver e sentir o topo da cabeça expandir". 
Acho que isso é o mais próximo de sinestesia que consigo chegar. Só de ler essas palavras, me transporto pra alguns momentos, reais e imaginários, que fazem com que façam sentido. Curiosamente, acho que "Faiscante" tem tudo a ver com elas também. 

Cuidado.
Conforto.
Faiscante. (faiscar? fagulhar?)

É bom saber o que a gente precisa pra poder ir buscar. Durante esse ano, na medida do possível tentei me proporcionar conforto, agora mais pro final me permiti iniciar processos de cuidado e, pra 2023, quero ativamente me esforçar pra ter mais momentos que me encham de vida e ultrapassem o sobreviver.

Olhando pra trás, não me lembro de ter chegado tão perto de finalizar uma wishlist do que esse ano. Claro, em grande parte são desejos materiais, mas ainda assim são coisas que eu queria e, em especial nesse ano várias delas se relacionam com ações de cuidado e realização, muito mais do que um simples querer motivado por estética.

Nesse ano também fiz uma brevíssima lista de desejos para 2022 aqui no blog e eu praticamente COMPLETEI ela! Ou uns 70% dela, o que já tá bom demais pra esse período regido pelo caos ahaha.

A maioria dos tópicos era sobre mandar mensagem pra amigos meus, ficando faltando só retomar contato com a Giully, Hikaru e Sebastian. Outros vários eram sobre a cirurgia e por fim tinha os desejos bem específicos mesmo, desde colocar aparelho até fazer cosméticos em casa de novo.

O que ficou faltando em 2022 e que pretendo repassar pra desejos de 2023 é o seguinte: 
  1. retomar contato com a Hikaru
  2. retomar contato com a Giully
  3. planilhar o consumo de casa e encontrar alternativas ecologicas
  4. colocar aparelho
  5. retomar a produção de cosméticos em casa
  6. Fazer novas tatuagens
Além deles, vou adicionar mais algumas coisinhas, inclusive acho que vou colocar isso lá na wishlist numa nova sessão de "life goals" ou algo assim, pra separar entre compras e ações e ter mais visibilidade pra me instigar a seguir firme e forte.

Sei lá, talvez eu esteja superestimando 2023. Como meu primeiro ano com mais tempo livre, tô jogando tudo que gostaria de ter feito antes pra ele e, bom, sei que minha tendência é entuchar os dias de coisa pra "agilizar" e depois acabo me lascando haha. 
Vou tentar ir com calma e planejar um pouquinho mais os tempos de cada coisa, até pra ver o que vai ter que ficar de fora ou sem previsão, pra não transformar as realizações em pressão.

Em geral tô bem feliz e confiante, o que já é bem bom considerando o estado de cansaço e desânimo que eu vinha apresentando nesse último semestre.

Só pra ficar registrado, já que fiquei meio frustrado de não ter histórico, vou deixar aqui minha wishlist 2022 praticamente completinha, por ordem cronológica:

    ✅ Headphones confortáveis
    ✅ Cirurgia 05/02/22 ♥
    ✅ Livros novos (tem livro pra uns 3 anos k k)
    ✅ Retomar contato com pessoas que importam
    ✅ Passagens pra Portugal
    ✅ Roupas novas
    ✅ Casacão Sobretudo
    ✅ Lota, escova seca e raspador de língua (Holistix eu te amo)
    ✅ Protetor solar mineral
    ✅ Óleos essenciais (no limbo da shopee 🥲)
    ✅ Batedeira (meu primeiro eletrodomésticooo)
    ✅ Bota Chelsea 
    ❌ Camisetas de gola alta
    ❌ Novas tatuagens
    ❌ Ecobag Estilosa (se tudo der certo, descolo essa ainda esse ano)
    ❌ Processador de alimentos

É cara, esse foi o primeiro ano em que me permiti comprar coisas e usar o meu dinheiro a curto prazo. Ao todo deve ter sido uns 7k, fora cirurgia. E assim, que ótimo. Estou aprendendo a priorizar o meu agora e me dar conforto sempre que me for possível. 

Muito doido (e doído) como me privei de acolhimento por tanto tempo e agora preciso entender como é que se vive podendo se cuidar e até onde ir, quanto segurar a onda, quanto soltar a corda. Complexo haha.

Enfim, saldo positivo.

18/12/2022

O que teria sido a retrospectiva 2021 - Um rascunho melhorado

 

(mais um ano de haikyuu como imagem de abertura do post de retrospectiva porque eu mereçoh)

Eu tinha deixado nos rascunhos a retrospectiva de 2021 desde o dia 25 de janeiro, mas a bichinha nunca saiu de lá e resolvi mudar isso... No FIM de 2022.
Pra falar a verdade eu já tinha bem adiantado bastante coisa dela. Já tinha separado artistas do ano, músicas, livros, webcomics, mangás, canais do youtube, enfim só precisava colocar aqui e fazer o resuminho de impressões sobre cada coisa.
Como o que faltava eram as minhas impressões e, a meu ver, esse é que é o tempero do post de restrospectiva, acabou que não priorizei isso e ficou de escanteio.
MAAAAS, hoje num domingo pré-férias, as primeiras que tiro 100% pra descansar desde que voltei do Canadá há 5 anos, resolvi que pra ter uma retrospectiva 2022 precisava pelo menos colocar essa aqui, já que ela não tava zerada.

E daí, cá estamos. 

Tô tentando dar uma melhorada nela, pelo menos colocar um pouquinho de descrição do que me der vontade e aí pronto, publico e fico livre pra fazer a deste ano, que foi extremamente caótico, mas também teve várias coisas legais que acompanhei e quero botar aqui.

Enfim, bora lá.

[ música ]

  1. Trap latino
  2. Música experimental (também conhecido como: trilha sonora de filme de ficção científica e sons para plantas)
  3. Bears in Trees (que teve uma importância crescente em 2022)
  4. Olivia Rodrigo
  5. Yoùn
  6. Rapadura
  7. Flora Matos
  8. rum.gold

músicas soltas que fizeram meu ano

  1. Baby 95 - Liniker
  2. Treat me like a lover - Will Joseph Cook
  3. Fashion - Lady Gaga
  4. Deixa Acontecer - Laura Lavieri (o MELHOR cover dessa música já feito)
  5. Caramelo - Ozuna
  6. Be your shadow e This is not a party - The Wombats (como sempre salvando meus dias)
  7. Dreamland inteirinho - Glass Animals


[ mangás ]

Repeteco

Mangás da Junko, Konya mo nemurenai, meus antigos favoritos e que se mantiveram como tal (Kabe no naka no Tenshi e Kurayami ni Strobe).

E 2021 me deu 5 minutos de parar e questionar se o que eu tinha na minha cabeça como "preferidos" ou "nota 8-9" eram realmente tão bons quando eu lembrava, considerando o tanto de porcaria que eu achava bom em anos anteriores hahah.
Por isso, fui tentando reler vários mangás que tinha gostado no passado. O saldo disso foi que, em geral, os meus preferidos seguem firme e forte, sendo ótimos mesmo e mantendo seu espacinho no meu coração, mãaas muitos mangás que eu achava incríveis como os da Junko na verdade são só medianos mesmo e eu não tinha repertório suficiente de BLs pra exigir mais que aquilo (e na época eu gostava bastante do traço dela e hoje nem tanto, então tem isso também).


A lista oficial dos mangás memoráveis do ano

Destaquei meus preferidos do ano, porque é o máximo que tenho forças pra fazer. Em resumo: li BL a rodo e tive uns achados. Foi bem bom.

  1. Ao Haru Ride (um dos poucos shoujos que parei pra ler... e nem foi tão bom assim)

    Também tentei ler Hiyokoi e Sukitte ii nayo, mas larguei. O segundo inclusive, era um dos meus animes preferidos e acabei descobrindo que achei a premissa da história horrível e fraquinha de doer.

  2. Ao ni Naku
  3. Come to Hand
  4. Joou to Shitateya
  5. Old-fashioned cupcake
  6. Restart wa Tadama no ato de
  7. Yajirobee (retomada e fim desse amor)
  8. Blue! Blue! Blue!
  9. Kitaru Harekake no Asu yo
  10. Sekai de Ichiban Tooi Koi (esse não acabou, mas é incrívellllll)
  11. Umibe no Étranger (esse eu tinha amado o filme, é lindo também)
  12. Ganbare! Nakamura-kun!!
  13. Hello, Green days (esse aqui só porque o menino estuda botânica e eu fiquei com inveja dele em todos os sentidos haha)
  14. Hidamari ga kikoeru
  15. Koi wa Kamen no Uchigawa ni
  16. Tonari no Metaller-san
  17. Megumi to Tsugumi (porque a gente se rende ao Omegaverso)

Menção honrosa de anime do ano


Sk8 The Infinity
E um grande amor chamado: meninos VISIVELMENTE apaixonados e fanservice pra todo lado.


[ comics ]

A partir de 2021 eu li comics pra caralho. Sério, muita muita muuuita coisa mesmo. Me rendi aos apps e em seguida aos sites piratas mesmo, porque foi um novo mundo pra mim. Li um pouco de tudo, grande parte das histórias meio porcaria e clichêzão de isekai mocinha que cai na história sendo um personagem x ou vilã e tem que se virar nos 30 pra sobreviver e o ML se apaixona por ela, toda essa ladainha.

Dentre o muito dos títulos só pra passar o tempo que sequer terminei, também encontrei histórias lindinhas e uns achados que ganharam meu coração. Daí né, vou trazer pelo menos esses, com destaque para os primeiros 6, que considero os melhores e tem a arte 10/10.


  1. Wait Where the Shooting Star Falls (em hiatus há 84 anos)


    Ai, o que dizer desta OBRA PRIMA??????!!!
    Puta merda, se tem uma história que eu posso pegar e mostrar pra QUALQUER UM é esta. A arte é belíssima, os personagens são super complexos, com emoções que fazem a gente ficar angustiado querendo pegar cada um no colo e acarinhar. Nossa sério, genial.
    Não consigo nem verbalizar direito tudo que essa história tem, porque realmente ela é uma montanha de coisas. São camadas e mais camadas de lore que se entrecortam e se misturam, uma riqueza enorme de cenários, mundos, personagens, tudo. 
    É bem difícil colocar em palavras o quão sensacional considero essa comic, então fico por aqui pra não me alongar e ficar com ainda mais saudade de ler, enquanto aguardo o hiatus DE 1 ANO que não tem previsão pra retomada ainda (isso em 2022)

  2. The Other Side of the Mirror


    Esse foi o primeiro manhwa BL que eu religiosamente juntei moedinha pra ler legalmente até o final HAHAHA. A história é bem complexa e chegou uma hora que eu nem sabia mais o que era verdade e o que não era. Minha nossa, uma enorme reviravolta quase sem fim, esse é o melhor resumo.
    Os personagens são super bem construídos e muito muito complexos e cheios de camadas, a história também, é tudo muito de muita coisa. 
    O romance é o de menos, sinceramente. O maior slow burn da história da humanidade, eu diria. Enfim, tem seu lugar no meu coração sendo uma história a se recomendar pra qualquer um que curta ficção histórica e ética, aborda umas questões bem complexas de direito a vida e livre arbítrio, complicated.

  3. Salad Days (eternamente em andamento)


    Eu já comecei e parei de ler esse aqui várias e várias vezes. Na verdade, acho até que comecei a ler uns anos atrás, mas tinha pouca coisa e acabou sumindo, fica indo nessa vida de reler e esperar mais capítulos. 
    O traço é maravilhoso, a história é completamente fora da realidade, mas ninguém tá nem aí pra isso haha. Dois meninos se encontram numa escolinha de balé e boxe. Me lembra muito de Billie Eliot e acho que por isso tenho tanto carinho por essa história.
    É uma história bem comprida, com desenvolvimento não só dos personagens principais mas de histórias paralelas dos secundários, além de ter vários momentos poéticos e muito sensíveis. 
    Mais pro meio-fim em que as coisas começam a se estabilizar e dar certo o foco no romance vai crescendo e é bem gracinha também. É uma leitura que eu refaço com gosto, de fato um achadinho ♥.

  4. Oh, My Assistant!


    Oh, My Assistant foi meu primeiríssimo manhwa BL e tem um lugar especial no meu coração haha. Com uma história bem levinha e sendo até que curtinho, a arte é muito fofa e os personagens são uma graça. 
    É basicamente sobre um quadrinista desleixado e um fã ryco perfeito que vem pra mudar tudo. Não tem nada de muito especial, mas eu adoro uma dinâmica de personalidades gato x cachorro e gosto muito da honestidade do personagem principal, ele é muito fofo. Enfim, água com açúcar bonitinho.

  5. All of You (Engraved on My Heart)


    Lindoooooooooo, lindo lindo lindo aaaa. Foi o primeiro que li do Azha Liang, que como falo no textinho do próximo, acabou por se tornar um dos meus autores e ilustradores favoritos da vida. Além do traço ser lindo a história é muito poética e sensível. O personagem principal é um amor e dói na gente ver as angústias dele. O desenrolar da história é muito bem feito e quando acabou me deu uma crise de abstinência e por isso fui caçar tudo que podia pra preencher o vazio. É bom nesse nível. Inclusive, escrevendo agora me deu vontade de reler hahaha.

  6. Starting with a Lie


    Esse foi dureza, ô história complicada meu deus do céuzinho. Mesmo autor do "Engraved on my heart" o cara é absolutamente o rei da ilustração aquarelada mais linda que eu já vi, sério. Daí claro, né virei fã e fui ler essa outra história achando que ia ser de igual qualidade. Tava certo? Tava, mas não sabia que ia ser com tanto b.o na trama. 
    Tudo bem que pelo título a gente já sabe, né? Velha história de "ai, finge que é meu namorado? Só de brinks k k". Tudo começa aí pra um dos casais e o outro (amo que tem 2) também começa com um monte de fingimento, enfim 100% o meme do livrão vs. livrinho se os personagens tivessem sido honestos haha.
    Maaaas, ainda assim gostei muito de como o autor desenvolveu tudo, a evolução não só das relações mas dos personagens também, além de ser um dos estilos de desenho mais lindos que eu já vi. 100/10 valeu o nervoso.

  7. The Secret Tales of a 30-year-old Gay Bachelor

    Bem fofo, desenvolve a história de forma interessante, a arte é uma graça e eu simplesmente adorei os personagens, como faz um ano que eu li não lembro muuuito dos detalhes, mas foi um dos meus favoritos mesmo, considerando as centenas de histórias que li em 2021, destaque merecido.

  8. Enraptured by Your Radiance

    Lindo lindo lindooooo, meu deus. a arte é belíssima, aprendi umas coisas legais sobre estilos de dança tradicional, é meio sofrido, mas relativamente curtinho então é bom que o nervoso dura pouco haha.

  9. The Flower that Stands Tall (larguei desde então /2022)

    Esse aqui eu achei interessante porque a personagem principal é bemmm legal. Ela é forte, crítica, super inteligente, maravilhosa. E apesar de ser meio trouxa no começo, depois o ML fica 100% simp dela e eu amo um homem que se coloca aos pés do crush sim. A história aparentemente não acaba nunca, daí me deu um pouco de preguiça de continuar, porque eu tava lendo numa tradução pirata muito ruim, mas enfim foi legal.

  10. Master Vilainess the Invincible (larguei desde então /2022)

    Mesma coisa do anterior, a personagem principal é MUITO FODA e essa aqui ainda é linda e super fofa e sensível, a arte é maravilhosa nesse aqui. Esse tem mais intriga e fofoquinha, por ser um lance mais "por dentro do palácio imperial" blá blá. O ML é a coisa mais fofa também e gostei que o foco é muito mais voltado pra trama do que pro romance, inclusive deixado os dois longe um do outro por uma cota. Só parei de ler porque precisava esperar a tradução paralela ao original seguir e daí bateu a preguiça, mas é bem bom.

  11. Dream Lover Strategy Guide
  12. Heartstopper (larguei desde então /2022)
  13. The Violinist and the Nerd (fofo e saudável de mais, a autora é uma graça)
  14. Kiss Tastes Like Summer (fofuxo, em andamento)
  15. The Boy and the Wolf (foda demais, mas publica mensalmente então demora horrores)


[ livros ]

Apenas os destaques. Não consegui ler muito em 2021 pelo que me lembro, mas foi um ano de descobertas importantes de coleções (bell hooks e alternativas sistêmicas) que eu leria em 2022 e também meu início de leituras não-ficcionais

  1. Revolução das Plantas - Stefano Mancuso
  2. Mulheres, Raça e Classe - Angela Davis
  3. Modo de Vida Imperial - Ulrich Brand e Markus Wissen
  4. Livros da bell hooks
  5. E se eu fosse puta - Amara Moira

[ canais ]

  1. Tempero Drag
  2. Tese Onze
  3. Boi Tempo

03/10/2022

Uma nostalgia do caralho e muito cansaço


Ai sabe, pior dia possível preu ter um mini meltdown, mas cá estamos.

Ao som de Paramore, na verdade agora é Hayley Willians - Why We Ever, tô tentando escolher uma imagem pra encabeçar o post, mas não tá dando não.

Nossa, eu nem tava tão mal assim gente do céu. Tenho 40 e-mails pra montar na porra da plataforma do meu trabalho pra uma demanda que o próprio CEO tá esperando pra gente colocar pra rodar na segunda, no caso hoje mesmo, daqui umas 8h quando começar a minha jornadinha CLT dos infernos. 

[sobre trampo]

Eu tô sinceramente com um desgosto muito grande de estar trabalhando nos últimos meses. Foi aumentando a passos largos, até falei com meu chefe sobre o que vinha me incomodando e, bom, naquela hora parecia que as coisas tinham ficado mais leves só que agora tudo me parece uma bela merda e me dá vontade de chorar e jogar tudo pro alto.

Tava inclusive pensando em já procurar vagas e tal, mas me lembrei que preciso urgentemente de férias, então vou esperar até o ano que vem. Preciso me formar, preciso tirar férias, preciso. 

Inclusive, no tema vagas, as que meu amigo e ex-chefe tinha me indicado acabaram se mostrando com escopo completamente diferentes do que eu faço então não rolou. Apesar da negativa, foi um processo bem legal, porque me senti minhas capacidades bastante reafirmadas, tanto passando pra fase de conversar com o diretor lá da área quanto com ele mesmo meio bolado explicando que eu "de fato, tinha muita experiência com planejamento, mas eles precisavam de alguém técnico" e assim, realmente amigo boa sorte porque eu não sou essa pessoa e tá tudo bem. Claro que adoraria conseguir uma vaga e passar a ganhar mais pra trabalhar melhor e num ambiente menos abusivo quanto minha atual empresa se tornou, mas né, sobrevivemos.

[tcc]

Entrego meu TCC daqui literalmente 1 mês e, bem, ainda falta coisa pra caralho. Ainda assim, consigo ver uma luz no fim do túnel e saber que ela é só a saída e não um trem. O projeto agora tá bem bonito e finalmente entramos num ritmo que dá pra finalizar as coisas. Vai dar certo, vamos dar um jeito.

[relacionamento, na real a negação de um possivelmente meia boca]

No fim, minhas aventuras no Bumble acabaram empacando no Greg mesmo, porque não tenho coragem e nem energia pra tentar conhecer gente nova agora. Não consigo nem manter uma conversa qualquer atualizada, imagine ter que fazer todo aquele papo interessado pra ver se vale a pena marcar alguma coisa e mais ainda, aparecer no encontro e tudo o mais. Sem condições, cansado demais.

Que loucura, no post passado, no meio de agosto eu ainda tava 100% na vibe amizade platônica com o Greg, mas desde então a gente se viu mais 1 ou 2 vezes e fui me acostumando à ideia de ter alguma coisa com ele e daí, domingo passado a gente se ligou (coisa que não faço com absolutamente ninguém além do povo do TCC por obrigação k k) e ele abriu seu coraçãozinho me explicando que: mesmo eu sendo essa pessoa interessante pra caralho, ele não conseguia se apaixonar por mim o tanto quanto sentia ser necessário e tava num dilema interno. Isso porque Greg, a meu ver, é um monogâmico que acha que é anarquista relacional (um tipo mais legal de não monogâmico ahah, mas na verdade é só uma pessoa num quadro neurótico que não consegue se desapegar de uma relação que já não funciona e ninguém tem coragem de terminar. 

E assim, coitado dele e tal, uma merda ter que viver nessa dor de não conseguir finalizar algo que foi super importante e ao mesmo tempo não conseguir se entregar pra alguma outra coisa potencialmente boa. Nessa ligação ele me perguntou o que eu esperava da nossa relação e fui até que bem jogo aberto, falei que não esperava nada específico, mas que tinha abertura pra que a gente pudesse ter, sim, alguma coisa romântica. Eis que no momento eu fiz o conhecido comportamento padrão auto-anulante de dizer "estar ok caso ele quisesse ir ficando comigo e aí ver no que ia dar, se ia querer fortalecer algo comigo ou dar pra trás", mas graças a deus, depois de finalizar a conversa me deu 5 minutos e percebi como eu tava prestes a repetir o mesmo erro dos últimos relacionamentos que tive (e foram péssimos) e mandei um áudio de 5min explicando sobre como NÃO estava disposto a começar nada com alguém que não estivesse ali pra transbordar tanto quanto eu no que quer que fossemos criar. 

Ele ficou meio bolado de início, passei um leve nervoso durante os primeiros dias da semana, mas depois Greg retomou comportamento normal, fiquei meio puto na hora, mas depois passou e, sei lá. As voltas que o mundo dá, né? Desde o início não quis nada com ele, daí fiz um esforço consciente pra pensar em uma perspectiva romântica, só pra depois de conseguir isso ter que enterrar de novo em nome dos meus limites e autopreservação e respeito. Que coisa. 

Mas na real fiquei feliz comigo por ter me fortalecido a ponto de conseguir me colocar de forma firme pra ele. Queria muito ter contato isso pro Sérgio, só que na última sessão eram tantas coisas pra falar que no final só cheguei a começar a história com o Greg (mini história, uns capítulos no máximo) e aí o Sérgio só falou umas coisas meio "será que não vale a pena pensar nisso?" e não deu tempo de falar NÃO SÉRGIO, É PRA GENTE COMEMORAR O MEU NÃO, CALA A BOCAAAAA. Mas na próxima eu falo, tá tudo bem.

[cabô sobre relacionamentos]

Fazia muito tempo que eu não ouvia Bring Me The Horizon, perfeito pro meu momento. Até parei pra colocar os álbuns inteiros na fila de reprodução e não fazia ideia de que eles tinham lançado coisa pra caralho desde 2015 e, caralho, que mal gosto pra arte de capa, ein? Enfim, tá dentro do meu momento de nostalgia, agora tô lembrando do show que fui com a Yas, em 2016 eu acho. Saudades.

Enfim, tem muito mais coisa que eu quero falar, como sempre, mas já tô me sentindo bem melhor agora.

Quando comecei a escrever tava a beira de um colapso mesmo. Agora que voltei a escrever sobre isso as emoções tão voltando, mas vou dar uma segurada, já que preciso fazer a porcaria do negócio pro meu trabalho antes que eu tenha que virar a madrugada inteirinha só nessa bosta. E vamos de colocar uma fita isolante pra tapar o buraco da represa, menines. ✨

E no final nem falei das eleições, que também foi uma coisa que me fez sair bastante do prumo agora fim do dia. Mas também, que pessoa decente que não ficou abalada, não é mesmo? Uma dor compartilhada dói menos.

[sobre nostalgia]

Ah, pra falar de coisas boas, assisti Luca finalmenteeeeeeeeee! E é lindo, meu deus, é muito lindo e amei amei amei. 
Ano passado eu seguia uma pessoa que era completamente doida por Luca e pelo ship dos dois meninos e, pra mim acabava sendo engraçado, porque minha percepção do filme era muito mais a partir da lente dessa pessoa do que do filme em si, que eu tinha 0 chances de ver por não ter Disney+ e muito menos a energia de ir atrás de um torrent pra baixar. Bom, eis que finalmente assisti e entendo porque tanto alarde, é um abraço quentinho aquele filme mesmo, muito fofo. 

Também assisti Red antes e fiz isso numa festa do pijama que fui ontem pra rever o pessoal com quem fiz técnico no ensino médio. Acho que isso foi mais uma gotinha pra fazer transbordar meu copinho da nostalgia e demanda por tempos mais brandos e carinhosos comigo mesmo. 
Algo similar aconteceu quando encontrei com Len e Gigi, que até mencionei aqui no último post. Quando reencontrei os dois até tivemos um momento de revisitar o baú de memórias e ficar vendo os blogs e tal, cheguei até a minha primeira postagem no AEG, foi bem emocionante, me deu comichão de retomar o blog, agora sob uma perspectiva ecossocialista e pautada nos meus interesses atuais (que ao mesmo tempo mudaram tudo e nada)... Daí a realidade veio e deu uma bicuda na minha cara e desisti dessa ideia, pelo menos até terminar esse ano.

Ah, quando o Greg veio aqui em casa também mostrei pra ele Viagem na Chuva, acho que isso deve ter sido também uma outra gotinha no copo da nostalgia. Acho que fui inconscientemente gravitando pra essas situações que me remetem ao passado e à animação e tudo o mais. 

Se for parar pra pensar, quando eu tava me afundando na pandemia o que me fez flutuar foram essas coisinhas também. Assistir animes, ler meus mangás, jogar otome games, foi uma retomada bem grande dos meus hobbies de 15 anos, lembro de comentar com o Sérgio na época e ele achou ótimo, até me incentivando pra valorizar essas coisas e procurar o que mais eu gostava e fortalecer isso. 

No presente, ainda mantenho os mangás como uma corda salva vidas. Sempre que sinto que tá tudo uma droga começo a ler um BLzinho pra acalmar meu coração, mas acaba sendo um pouco de cuidado misturado com mimo, pois passo do ponto e gasto tempo importante pra fazer tarefas práticas me isolando do mundo com eles. Tá difícil conseguir chegar num equilibro ultimamente. Pra várias coisas... Ia falar que "sinto que tô a ponto de explodir", mas me lembrei que já estou explodindo haha.

Na sexta meu chefe pediu pra falar comigo, porque eu tava passando do ponto, estourando muito nas nossas conversas com o time e, bem devo estar mesmo. Eu não percebo, mas as pessoas se surpreendem com certas reações minhas e é aí que me percebo chegando na fase em que comecei a tomar remédios láaa em 2017. Sinceramente eu adoraria que o Sérgio voltasse a me receitar sertralina, só como um paliativo, em momentos de crise e tal, mas ele não afrouxa sua convicção de que "consigo passar por isso". 

Caralho cara, é óbvio que conseguir eu consigo, mas queria conseguir sem me desgastar tanto no processo, sabe? Não me superestime, só quero fazer as coisas da forma mais pacata possível, por favor.

Ai ai já são 2h da manhã e eu só queria dormir. Mas não, ainda tenho a merda dos 40 e-mails. 

Vou fazer isso logo, porque tô sentindo que mesmo fazendo isso na porra do meu tempo livre ainda vão querer que eu comece no horário de sempre pra ativar essa bosta.

É isso.