19/06/2024

O que rolou em 2 anos - Metas 2.0, diretamente de 2022

 


Faz um tempinho que eu tava pensando no post de 2022 com umas metas meio médio-longo prazo e como ele hoje em dia tá completamente fora da minha realidade e das minhas vontades.

Na real, tem coisa que faz sentido e seria bemmm legal, tipo "morar 5 anos no canadá", mas hoje eu consigo olhar e ver como é impossível a menos que eu sacrifique um tempão por isso. O que não faço questão de fazer hahahah.

Daí me veio a ideia de atualizar a lista, até deixando ela maiorzinha com coisas de curto prazo também. Bora.

  1. Viajar todos os anos, pelo menos 5 vezes 
    Na real essa é uma meta que ainda preciso destrinchar. Porque por exemplo, não sei se 1 único período de viagem pra 5 lugares diferentes conta como 1 ou 5 e isso define muita coisa hahah. 
    É bem desafiador pensar em viajar 5 vezes distintas, mas acho que optei por esse número alto justamente pra tentar me obrigar a batalhar por tempos livres e me forçar a abrir espaços pra passeios e tal. Muito bom na teoria, na prática já não sei.
  2. Ter uma reserva de 15 mil reais, pelo menos, para emergências sempre
    Isso aqui nem é uma meta direito, tá mais pra uma regra de funcionamento haha. Desde aqueles tempos e acho que até um pouco antes eu já estava tentando me manter com essa regra. Depois de tudo que rolou com o Cuca esse ano ainda estou tentando repor a reserva, mas até outubro fecha a conta. Bom, tá de pé e segue fazendo sentido.
  3. Morar de forma independente
    Essa quase rolou... Ai ai. Tá nos meus planos pra 2025, até porque já fiz todas as cotações e cheguei até a encontrar um apartamento, então tá quase lá. Quero tentar me organizar melhor ainda pra não dar um passo maior que a perna, mas vem aí.
  4. Ganhar um salário de 8k em até 2 anos
    Esse aqui tá complicated. Porque se em 2022 eu esperava os 8k em 2024, bem... Não tá tendo hahaha. Assim, eu fui de 4,5k pra 6k, o que já é alguma coisa, mas tá longe ainda. Vou esmiuçar essa meta:
    • 2025 - salário 7k
    • 2026 - salário 8k
    • 2030 - salário 15k
  5. Colocar aparelho
    Essa foi uma meta que quase rolou ano passado, poxa. Acabei empacando depois de tirar os sisos, já que foi um trauma desgraçado e parecia que eu jamais teria vida normal, mas agora tô querendo retomar isso aqui em 2025. Curto prazo isso aqui, vai rolar.
  6. Comprar apenas alimentos orgânicos 
    Isso aqui foi outra coisa que tentei implementar ano passado e deu xabu. Tentei real contratar uma assinatura e tudo, aqui do bairro pra diminuir ainda mais o impacto de transporte... Durou 3 meses no máximo, porque eles eram super enrolados 🥲. Sei lá, quem sabe quando eu me mudar. Mais uma coisa pra 2025, a lista só cresce hahah.

Daí, o que caiu por terra:
  • Comprar um apartamento Não tenho vontade, já tem imóveis suficientes nessa família.
  • Pagar as despesas dos gatos e alguém para ajudar a cuidar deles Morar só implica em cumprir isso aqui já.
  • viver a partir dos 50 anos sem precisar trabalhar Nunca diga nunca, mas isso aqui tá igual o papo de morar no Canadá. Na época eu já coloquei sabendo que era fantasioso, agora tô só deixando claro haha.
  • morar pelo menos 5 anos no Canadá, a partir de 2024 Ai ai, irreal e inalcançável. 
  • Juntar 100 mil reais para ir pro Canadá Vô nem falar nada.

Não dá pra prever o futuro, mas eu amo listas e viver na minha cabeça, então esse tipo de coisa é perfeita pra mim hahah.
Foi um exercício divertido, além de me acalmar um pouco quando bate o desespero da finitude. 

Enfim, espero que role essa versão 2.0. Vou tentar atualizar lá na wishlist também pra 2025.

P.s.: eu já tô tão dodói das ideias que tava pensando que esse ano era 2025 e eu tinha que pensar pra 2026. é por isso que eu preciso de férias reais, socorro.

e seguimos, com caos mesmo


Entra ano, sai ano, e eu não aprendo a tirar férias. Cá estou em mais uma semana costurada por tarefas do trabalho que ficaram por fazer, projetos que não tive coragem de abdicar e convites que não recusei, porque não sei respeitar meus limites. Sinceramente, eu tô mesmo é precisando definí-los, respeitar ainda é um passo à frente. 

Como eu tava falando há 2 semanas atrás, tá um mix de coisas boas e ruins rolando ao mesmo tempo. Na micro escala, na macro tá meio horrível generalizadamente, mas não tô em condições de pautar isso agora.

Finalmente furei a orelha, de novo haha. Essa era uma mini-meta desde o ano passado que eu não conseguia desenrolar, porque ainda me desespero pra marcar coisas que só dependem de mim. Mas rolou, sucesso.

Outra meta em andamento é começar a estudar espanhol! Enfim, demorou mas saiu e tá me deixando bem feliz. Não sei o quanto meu cérebro sobrecarregado é capaz de reter das aulas, mas quero acreditar que estou avançando e que ainda que imperfeita, a minha memorização e aprendizado estão rolando.

Por enquanto as aulas são com um prof latino bem legal e tranquilo, mas acho que em breve deve mudar pra uma professora brasileira. Não tenho opinião formada sobre isso, mas espero que seja tão tranquilo quanto agora. E também espero que eu consiga criar um elo com minha colega de classe que trabalha na minha empresa, mas que aparentemente ou é muito tímida ou não quer de jeito nenhum me conhecer hahaha. 

Sério, semana passada foi uma aula "completa" e eu tava no escritório numa salinha individual de reunião e aí quando essa moça entrou ela tava com o mesmo fundo de salinha individual e apesar de eu ter falado que estava no escritório etc teve 0 movimento de "vamos dar um oi depois da aula". Achei curioso, queria fazer amizade com mais gente que quer/precisa falar espanhol na empresa. Vamos ver.

Fora isso não tenho muito mais coisas boas.

Dentre as coisas neutras-positivas: levei os gatos pra cadastrar no convênio médico, fiz várias apresentações bem legais sobre vivência LGBTQIAPN+ no trabalho, que ao mesmo tempo foram ótimas, mas me custaram muita energia e horas, tem dado tudo certo durante a programação do Mês do Orgulho no trabalho... E é isso, acho.

Não vejo a hora de acabar esse mês, tô muito cansade, pelo amor de deus. Realmente foi o mês mais recheado de coisa que essa empresa já viu, mas a custo da minha sanidade e integridade física e psicológica, socorro. 

Hoje mesmo tava conversando com uma amiga sobre o fato de eu precisar encarar o trabalho dentro do grupo de afinidade como "trabalho" e não "voluntariado", porque preciso me forçar a fazer caber dentro das minhas 40h e não me desdobrar pra fora disso.
Na real já tá difícil fazer tarefas corriqueiras caberem nas 40h da jornada, imagine colocar mais coisa... Mais um desafio de impor limites que eu ainda não consegui definir quais são, ainda mais pensando em serem "saudáveis". Por hora o que eu tenho é "o limite de ser incapaz de funcionar" e ele não dos melhores. 🙃

Olhando por esse lado, até não postar no blog se encaixa no ultrapassar constante dos meus limites. Eu transbordo cotidianamente e sequer paro pra fazer redução de danos. Me toquei disso quando fui tentar falar sobre uma apresentação que eu fiz ano passado e que hoje não lembro de absolutamente nada. 
É bizarro pensar que com 26 anos sou incapaz de lembrar de um evento de passado próximo, mas é o que o estresse faz com as pessoas. E apesar de aceitar e falar abertamente que sou uma pessoa estressada, nenhuma das duas coisas ativamente me ajuda a sair dessa lama. 

O foda é que pra sair disso eu preciso dos limites, depois preciso respeitar eles, e aí exigir que as outras pessoas também respeitem. Muita coisa pra fazer, além do que já tá no meu prato. Já me cansa só de pensar haha.


E por falar em cansaço, acho que já vou logo dormir, porque de ontem pra hoje fiquei da 1h às 5h30 da manhã fazendo coisas do trabalho e já to capengando.

Não tá sendo só trabalho, saí ontem e hoje com amigos, to aqui escrevendo no blog, etc. Mas realmente as costuras entre descanso-trabalho não estão das melhores, de um jeito que tá óbvio até pra mim. Enfim, espero aprender a lição dessa vez.

Vou tentar fazer uma listinha de desejos desse ano antes de desligar aqui. Por hora, boa noite.

02/06/2024

eu só queria progredir sem o caos

 As coisas tão meio que boas e meio que horríveis.

Como sempre a postagem vem atrasada e com um imenso compilado de coisas por falar amontoadas de um jeito que nem sei direito o que abordar primeiro.

São 2h da manhã, pré ParadaSP e eu tô aqui, então vamos com a rota mais curta possível.

Depois de ter 3 meses e meio de vida sequestrados pela situação com o Cuca, maio foi enfim meu mês de retomada. Algumas coisas avançaram, outras seguiram inertes e junto veio uma onda de problemas que eu não queria ter que lidar.

Mês do orgulho uhu e tal, acho que nunca trabalhei tanto por ações externas ao meu escopo como nos preparativos pra junho com o grupo de afinidade. Assim, tá bem legal, as coisas tão indo um pouco além de performance e sinto que pelo menos alguma coisa deve respingar em quem precisa ser atingido e aprender como respeitar gente. Mas fora isso, essa finaleira tá sendo extremamente desgastante e cansativa. Odeio coisa em cima da hora.

Pra dar um tempero, as vésperas de junho tive que dar suporte a não um mas dois relatos de lgbtfobia que se mostraram um caso enorme de assédio de um time inteiro.

Tá pouco? Pois essa semana teve um caso de transfobia BIZARRO vindo da Colíder do grupo sobre o outro Colíder, por ele ser uma pessoa não binária lésbica ele/dele e ela achar uma afronta a comunidade lésbica uma coisa dessas (o nível de ignorância beirando radfem nessa história é surreal).

Pois é, não tá fácil. E fora isso tudo que tá rolando no mundo né. Palestina, Congo, Sudão, Irã, Myanmar, RS. Não tenho nem o que dizer, só sentir. Ou na verdade me impedir de sentir, porque sinceramente eu não dou conta.

E aí eu decidi ir na Parada com o Ingrid (o Colíder que sofreu transfobia). Nunca fui, na real acho bem complicado o formato publicitário que ela tomou etc etc, mas eu tô mesmo é precisando de orgulho. De afirmação, espaço e alegria, porque senão eu vou afundar. E é isso. Eu vou me permitir ter alegria, em nome de todas as coisas que precisam ser pautadas em micro e macro escala na minha vida.

Tem mais, mas por agora é isso. Boa noite.